Agosto foi o melhor mês na venda de motos no Brasil em 2020

O efeito da pandemia prejudicou drasticamente o comércio de veículos em todo o país e afetou na diminuição na venda de motos. Por outro lado, a situação parece ficar favorável para o setor, tanto que o mês de agosto foi considerado o melhor deste ano nas vendas de motocicletas.

Para se ter uma ideia, houve 95.998 unidades emplacadas, um crescimento de 12,7% comparado ao mês de julho. No primeiro semestre tinha havido queda de 27% na produção de motos no Brasil, de acordo com informações fornecidas pela associação dos fabricantes Abraciclo.

Portanto, a maior produtora de linhas de montagem que está localizada em Manaus foi a mais afetada, com diminuição de 144.978 motos fabricadas em relação ao primeiro semestre de 2019. Surpreendentemente, no ano de 2020 foram produzidas 392.127 motocicletas, pior período desde 2001 quando houve 388.464 unidades.

Apesar dessa redução no setor das motos, em contrapartida, as vendas de carros foram bem inferiores no primeiro semestre deste ano. Todavia, com efeito da pandemia, a produção dos automóveis caiu pela metade comparado ao mês de julho, pior época desde 1998.

Um dos fatores que podem ter influenciado diretamente na regularidade na venda de motos está relacionado ao possível medo de aglomeração nos ônibus e metrôs, além da facilidade no transporte. Contudo, no mês de agosto, as maiores vendas foram de motocicletas de baixa cilindrada, consideradas com menor custo financeiro.

Saiba mais: Motos mais baratas em 2020 e seus devidos preços

Motos mais vendidas em agosto de 2020 são das fabricantes Honda e Yamaha:

  1. Honda CG160 – 152.628 unidades
  2.  Biz – 79.387 unidades
  3.  NXR 160 Bros – 57.381 unidades
  4.  Pop110i – 49.191 unidades
  5.  CB250 – 16.186 unidades
  6.  PCX 150 – 15.761 unidades
  7. Yamaha Fazer 250 – 14.107 unidades
  8.  Factor 150 – 12.798 unidades
  9.  XTZ – 12.789 unidades
  10.  XRE300 – 11.559 unidades

A Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores) considera que o setor tende a voltar à normalidade no período pós-pandemia, após passar por inconstância no primeiro semestre.

Assine nossas novidades

Fique tranquilo, não enviamos spam.
Tire suas dúvidas